MENSAGEM PASTORAL A Criatividade a Serviço do Reino

    Introdução

     

             O texto nos fala de quatro homens que possuíam uma missão: levar o paralítico a Jesus. É nossa missão, como Igreja, de igual forma, levar os “paralíticos” ao encontro de Jesus.   O texto nos informa que eles foram bem sucedidos no cumprimento da missão. Que lições podemos extrair do exemplo daqueles quatro homens, para também sermos bem sucedidos no cumprimento da nossa missão ?

            

    1. A criatividade foi fator fundamental para o pleno cumprimento da missão

     

    Pleno porque muitos costumam ficar pelo meio do caminho.

    Subir no telhado foi a maneira criativa de vencer obstáculos. Nesta atitude corajosa dos quatro homens, há um toque de garra, empenho, força de vontade, mas, acima de tudo, existe o toque criativo de expor, enfrentar a multidão, a opinião pública e o cansaço, para o pleno cumprimento da missão.

    Métodos convencionais não serviram para aqueles quatro homens. Eles não podiam esperar pelo fim da “reunião”. A missão pedia urgência. A nossa missão é urgente: “O negócio do Rei é urgente”.

    É missão dificílima, tentar alcançar a geração dos dias atuais, usando uma metodologia antiga. É preciso Ter coragem para “subir no telhado”.

     

    1. A criatividade deve priorizar pessoas e não coisas

     

    Entre um telhado quebrado e um paralítico curado, que se quebre o telhado.

    Esta é a grande lição de amor que precisamos aprender com aqueles quatro homens. No cumprimento da nossa missão, temos que ter coragem para, com criatividade, priorizar pessoas e não coisas, objetos, construções, templos, etc.

    Foi assim com Jesus e o jovem rico. Jesus amou o moço e não o que ele poderia oferecer com toda a sua riqueza.

    O que é intocável é a mensagem. Os métodos e os “telhados” são tocáveis.

    Aqueles quatro homens tinham a noção exata da escala de prioridades no cumprimento da missão. Primeiro se abençoa as pessoas. Depois se pensa em “telhados”.

     

    1. A criatividade pode levar ao cansaço

     

    Subir com aquele paralítico para o telhado e depois baixá-lo no ponto exato da casa onde estava Jesus, foi extremamente cansativo. O tradicional é sempre mais confortável.

     

    1. A criatividade recebeu a aprovação de Jesus

     

    O versículo de número 5 nos fala que Jesus, num primeiro momento, não olhou para o telhado, nem para o paralítico e nem para a multidão à sua volta. O texto nos informa que Jesus olhou para o coração daqueles quatro homens (“... vendo-lhes a fé...”.). Enquanto os homens olham para o exterior e para os “telhados”, Jesus vê o coração.

     

    Conclusão

     

             Se você tiver amor e fé, pode “subir nos telhados”, mesmo que, para muitos, isso não faça o menor sentido.

             Com certeza você descerá do “telhado” e voltará para casa com alegria, trazendo consigo os seu feixes. Mesmo que na ida e na subida você tenha regado a sua semeadura com muitas lágrimas.

    facebook